Metodismo - Rio Grande do Sul

Metodismo

               ACONTECIMENTOS   INUSITADOS

.Pesquizando sobre o metodismo no Rio Grande do Sul, como também no que foi a Região Eclesiástica do Sul, que incluia também os Estados de Sta. Catarina e Paraná, deparei com alguns fatos um tanto quanto curiosos, que achei por bem compartilhar com os leitores desta WEB

 

  COMO O EVANGELHO CHEGOU A SANTO ANGELO, RS

 

Não temos a data exata da chegada de Da. Paula Pereira Lopes, ex-escrava, a Santo Angelo, vinda do Estado de São Paulo, onde convertera-se ao Evangelho.  Deve ter sido lá pelo final dos anos 1890.  Embora analfabeta, trouxe consigo sua Bíblia e seu |Hinário.

Perto de onde ela passou a residir havia um menino de seus doze anos que sabia ler. Passou a convidar seus vizinhos para virem à sua casa, aos domingos, para ouvirem a leitura das Sagradas Escrituras, feita pelo menino, e que ela passava a explicar de acordo com a sua experiência cristã.   Em breve formou-se um pequeno grupo de "crentes".

No final de 1901 o Rev. James Milas Terrel dava início ao trabalho metodista em Cruz Alta, onde labutou até o  final de 1904.  Foi quando ficou sabendo que um grupo de "crentes", em Santo Angelo, havia sido preso, por estar infringindo a lei do país. Muniu-se de uma carta do Gal.Francisco de Paula, chefe político da zona  Serrana, e dirigiu-se, a cavalo, até Santo Angelo.

Pouco antes de chegar à entrada da  cidade encontrou dois guardas montados a cavalo e armados com espingarda, que vigiavam os crentes, presos e obrigados a trabalhar na estrada.  Os guardas o levaram até ao prefeito e este quis saber quem lhe dera autoridade para pregar.  Terrel apresentou a carta do General que citava a liberdalde de culto, de conformidade com a Constituição do Brasil. Terrel foi intimado a pregar, naquela noite, no salão do hotel, em  cujo porão os "crentes" tinham sua prisão.  Um grande número de pessoas curiosas ouviu a menasgem.

Houve uma mudança radical na mente do Prefeito e do seu irmão o Delegado de Polícia.  Deram ordem para que "ainda que eles, e não o Governo Brasileiro, governassem aquela cidade, os crentes fossem liberados e os pregadores respeitados."

 

(Dados compilados do opúsculo: "A Vida de James Milas Terrel", de autoria do Rev. Paul E. Buyers, publicaçaõ da Junta Geral de Educação da Igreja Metodista do Brasil, 1954).

                                                                             (João Nelson Betts, jan. 2009)

 

 

            EXISTIA ANTES DE SUA FUNDAÇÃO

 O Porto Alegre College, hoje Instituto Porto Alegre - IPA, já existia antes de sua fundação. Vejamos os fatos:

+ "De conformidade com o Registro de Imóveis da 1ª Zona de Porto Alegre, no livro3-1, fls 258, consta o registro de uma escritura pública de compra, datada de 25 de novembro de 1919Adquirente: Porto Alegre College de um terreno em forma retangular, com área superficial de 47.211mq97, situado no Arraial Petrópolis - Chácara Mariante.  ."  Compra feita pelo Bispo John M. Moore, na época, superientende do Metodismo no Brasil.

 + Registro na Autobiografia do Rev. John Rousie Saunders (pa.6) "Por ocasião de minha chegada ao Brasil, em março de1921, fui nomeado, pelo Bispo John M.Moore, Presidente do PortoAlegre College que, então, só existia na menate do Bispo."

 + Informação dada pelo Dr. J.E.Moreland em seu relato: "Fundação e primeiros 15 anos do Porto Alegre College": Na manhã de 2 de setembro de 1921, fui juntamente com o Bispo John M.Moore, o arquiteto Dr. Wiley Clay, Rev. Adolfo Ungaretti, Rev. C.L. Smith, Sr. Frank Long e Rev. John R. Saunders (o primeiro Presidente) visitar o local recentemente adquirido para a construção dos prédios para o estabelecimento do Porto Alegre College.  Nós estávamos altamente gratificados com o belo e prometedor "campus" escolhido.  No Inicio de 1922, sob a  direção do arquiteto Dr. Wiley Clay foram iniciadas as obras da construção do prédio principal e do dormitório.

 + Em "História do Metodismo no Rio GRande do Sul", de Eduardo Mena Barreto Jaime, pag. 112, lemos:  "O Novo Educandário, Porto Alegre College, iniciou suas aulas em um prédio alugado, Rua Mal. Floriano, 79, em março de 1923, sendo seu primeiro reitor o missionário Rev. John R. Saunders."

 

                 O  CHÁ  DAS  TERÇAS-FEIRAS

Uma atividade singular era promovida pela Sra. Moreland, esposa do Prof. J.R. Moreland, Reitor do Porto Alegre College (hoje Instituto Porto Alegre- IPA) nos idos de 1926 a 1930.  Era "O CHÁ  DAS  TERÇAS-FEIRAS", uma reunião mensal, para encontro social, que se realizava no refeitório do internato da instituição, para o qual eram convidados pessoas da alta sociedade.  Fizeram-se presentes para vários desses encontros o prefeito de Porto Alegre, Dr. Octávio Rocha e o governador do estado, Dr. Getúlio Vargas e sua esposa Da. Darcy, conforme relato da filha do Prof. Moreland, em seu livro; "Stories Of My Father" - Histórias de Meu Pai - publicado em 1981, um ano após a morte de seu pai.

 

 

                      "ESTEJE  PRESO" 

O missionário, Rev. Daniel Betts, em sua primeira visita  a Pato Branco, interior do Paraná, em 1938, após descer da "diligência" (um caminhão com bancada de madeira e uma cobertura de lona para proteger do sol e da chuva) conversava com um cidadão local, buscando informação sobre um endereço que procurava, quando foi abordado por um policial que, agarrando-o pelo braço, exclamou: "esteje preso" e o conduziu á delegacia de polícia. Lá chegando apresentou-se ao delegado dizendo: "Sr. delegado, agarrei este nazista lá na praça procurando fala a nossa linguage."  O delegado erguendo os olhos para ver o tal nazista, levantou-se e de braços estendidos exclamou: "Rev. Betts o que o senhor anda fazendo por aquí?  O delegado fora aluno do Instituto Ginasial de Passo Fundo, nos idos de 1926-1927, quando o Rev. Betts era o Reitor.

 

 

                     Década de Construção 

                                                TEMPLOS

Como parte das celebrações do Centenário da Obra Missionária da Igreja Metodista dos Estados Unidos da América do Norte (1822 -1922), nossa Igreja no Rio Grande do Sul foi beneficiada com a construção dos templos de: Passo Fundo (1918), Cachoeira do Sul (1919), Santa Maria (1920), Livramento (1922), Caxias do Sul (1922), Itaqui (1923), São Borja (1923), Cruz Alta (1924), Rio Pardo (1926).

O projeto arquitetônico desses temploS, exceto os de Passo Fundo e Rio Pardo, foi do Rev. Claude Livingstone Smith.  Dele, também, foram os projetos de Uruguaiana (1907), da Institucional em Porto Alegre (1910) e da Igreja Central de Porto Alegre (1914)..

                               COLÉGIOS

Ainda como parte das clebrações do Centenário da Obra Missionária da Igreja Metodista dos Estados Unidos, são organizados no Estado três instituições de ensino, tendo seus prédios sido construidos: Instituto Educacional de Passo Fundo, em 1921;  Colégio Centenário, em Santa Maria, em 1923; Instituto Porto Alegre, IpA, em 1924. E, ainda, em 1922, é adquirida a propriedade, na Avenida Independência, em Porto Alegre, para onde se transferiu o Colégio Americano, que alí permaneceu até 1945, quando instalou-se nos atuais prédios.

 

                            CAPELA   ECUMÊNICA

 O evangelista Mateo Donatti, enviado pela Missão Metodista do Uruguai, em 1892,para servir a comunidade metodista, composta de valdenses, na localidade de Forqueta do Caí, adquiriu, por compra, uma capela da Igreja Católca.  A qual passou a ser utilizada pelas duas denominações até que o templo da Igreja Católica ficasse pronta. 

Mateu Donatti escreveu em suas "Memórias": "Assim, por alguns domingos, celebramos cultos na igrejinha, deixando em ordem o altar, crucifixo, quadros, flores, velas e o confessionário, para que o padre católico pudesse servir-se deles sem nenhum incômodo."

Certamente é caso único de relacionamento evangélico-católico no Brasil do século dezenove.

 

             FORMATURA  E  MORTE

Solenemente, a 15 de Dezembro de 1949, decorria a formatura da 4ª série do Curso Ginasial do Colégio Americano, em Porto Alegre, RS. Auditório tomado por mestres alunas e pais, num ambiente de alegre espectativa.  Palavra da paraninfa e da representante da turma. Levanta-se então a distinta Reitora Miss Ruth Anderson e, solenemente declara: "Agora vamos entregar os certificados de 1949"... - foram as  suas últimas palavras, proferidas com imensa emoção. E o corpo da reitora curvou-se sobre a mesa da presidência.  Imediatamente foi levada para o hospital, onde veio a falecer duas horas depois.    Os seus restos mortais jazem no Cemitério Evangélico de Porto Alegre, RS.

 

 

     O Diabo Chega a Caxias do Sul

Em 1916 o jovem pastor Adolpho  Ungaretti foi nomeado para o Circuito de Caxias do Sul. que era então uma colònia Italiana, onde o vigário assumia o governo religioso e civil.  Este, ao saber da chegada do pastor metodista, determinou, por ocasião da missa, que ninguem aluga-se casa para o "diabo" e que nem falassem com ele, pois cuspia fogo, cobria os chifres com chapeu e escondia o rabo debaixo do casaco.

O pastor Ungaretti hospedou-se, com a esposa e as duas filhas, na casa do único crente da localidade, Rozalino Colombo, um sapateiro.  Logo ambos sairam a convidar as pessoas para o primeiro culto, que seria na casa em que a família estava hospedada.

Na noite aprazada para a reunião, ninguém aparecia, Então começaram a orar. Em dado momento ouviram barulho na rua. Adolpho foi à janela ver o que ocorria.  Uma multidão, silenciosa, estava em frente à casa. (?? para ver e ouvir o diabo ??). Adolpho não teve dúvida, abriu a janela e dalí passou a pregar, em italiano, ressaltando o amor de Deus como revelado na pessoa, vida e ensinos de Cristo.  A medida que falava, muitos diziam: "É véro! É véro!" (é verdade!).

OBS.Compilado de um texto produzido pelo Rev. Erasmo Ungaretrti sosbre a vida de seu pai, o Rev. Adolpho Melchior Ungarettti

 

 

         Um Cavalo Salva O Pastor

 

O dia amanheceu chuvoso e o Rev. Ungaretti, sempre cioso de seus compromissos, dirige-se, à cavalo, rumo a Forqueta do Caí, onde iria realizar culto e ministrar a Santa Ceia à família Chaulé.

Depois de longa e encharcada calvagada, chegando á beira do riacho, próximo ao seu destino  final, percebeu que não dava passagem, estava cheio e a correnteza era forte.  Destemido pôs o cavalo na água, mas ao chegar no meio do riacho o animal desapareceu do meio de suas pernas.  Levado pela correnteza, ao passar por uma arvore, cujos galhos chegavam até a agua, agarrou-se a um deles.  Como usava ponche, daqueles que cobriam tanto o cavaleiro como o cavalo, ele o puxava para baixo, o galho cedia, mas logo voltava.  Assim ficou subindo e descendo na água.

O cavalo, entretanto, conseguiu chegar à outra margem e, acostumado com o trajeto, dirigiu-se à casa onde costumava ir.  Quando as pessoas ouviram o cavalo chegando disseram: "O pastor chegou!"  Mas a pessoa que foi recebe-lo encontrou um cavalo e arreios encharcados, sem o pastor.  Correram ao riacho chamando o pastor pelo nome até que ele os ouviu e o tiraram da água.  Naquela noite a Palavra foi pregada e a Santa Ceia celebrada com muito louvor e gratidão. 

 Obs. Compilado de um texto produzido pelo Rev. Erasmo Ungaaretti sobre a  vida de seu pai, Rev.Adolpho Melchior Ungaretti.